Archive for Oração Subordinada Adverbial

Orações Subordinadas Adverbiais

Orações Subordinadas Adverbiais

DÍLSON CATARINO
especial para o Fovest Online

Para finalizar o estudo do período composto, estudaremos hoje as orações subordinadas adverbiais. Elas funcionam como adjunto adverbial, ou seja, são orações que indicam a existência de uma circunstância. A oração subordinada adverbial é ligada a outra oração, denominada oração principal. São nove as orações subordinadas adverbiais, que são iniciadas por uma conjunção subordinativa:

A) Causal: funciona como adjunto adverbial de causa. É iniciada por uma conjunção subordinativa causal ou por uma locução conjuntiva subordinativa causal. São elas: porque, porquanto, visto que, já que, uma vez que, como, que. Também pode ser iniciada pela preposição por, estando o verbo no infinitivo.

A conjunção como deve ser usada apenas em início de período.

Exemplos:

Saímos rapidamente, visto que estava armando um tremendo temporal.

Como estivesse chovendo, não saímos de casa.

Por ter chegado atrasada, não pôde entrar na palestra.

B) Comparativa: funciona como adjunto adverbial de comparação. Geralmente, o verbo fica subentendido. É iniciada por uma conjunção subordinativa comparativa. São elas: (mais) … que, (menos)… que, (tão)… quanto, como.

Exemplo:

Diocresildo era mais esforçado que o irmão.

Perceba que o verbo ser, na segunda oração, está subentendido: ele era mais esforçado que o irmão era.

Juvenildo é tão esforçado como o irmão.

C) Concessiva: funciona como adjunto adverbial de concessão. É iniciada por uma conjunção subordinativa concessiva ou por uma locução conjuntiva subordinativa concessiva. São elas: embora, conquanto, não obstante, apesar de que, se bem que, mesmo que, posto que, ainda que, em que pese.

Exemplos:

Todos se retiraram, apesar de não terem terminado a prova.

Mesmo que ele tenha razão, posicionar-me-ei contrário às suas idéias.

D) Condicional: funciona como adjunto adverbial de condição. É iniciada por uma conjunção subordinativa condicional ou por uma locução conjuntiva subordinativa condicional. São elas: se, a menos que, desde que, caso, contanto que. Também pode ser iniciada pela preposição a, estando o verbo no infinitivo.

Exemplos:

Você terá um futuro brilhante, desde que se esforce.

Contanto que se esforce, você terá um futuro brilhante.

A continuar agindo dessa maneira, tudo se dificultará.

E) Conformativa: funciona como adjunto adverbial de conformidade. É iniciada por uma conjunção subordinativa conformativa ou por uma locução conjuntiva subordinativa conformativa. São elas: como, conforme, segundo.

Exemplos:

Construímos nossa casa, conforme as especificações dadas pela Prefeitura.

Como combinamos ontem, eis os documentos.

F) Consecutiva: funciona como adjunto adverbial de conseqüência. É iniciada pela conjunção subordinativa consecutiva que. Na oração principal normalmente surge um advérbio de intensidade tal, tanto, tamanho(a): (tão)… que, (tanto)… que, (tamanho)… que.

Exemplos:

Ele fala tão alto, que não precisa do microfone.

Ele é de tamanha capacidade, que a todos encanta.

G) Temporal: funciona como adjunto adverbial de tempo. É iniciada por uma conjunção subordinativa temporal ou por uma locução conjuntiva subordinativa temporal. São elas: quando, enquanto, sempre que, assim que, desde que, logo que, mal. Também pode ser iniciada por ao, estando o verbo no infinitivo.

Exemplos:

Fico triste, sempre que vou à casa de Juvenildo.

Ao terminar essa discussão, sairemos daqui.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. É iniciada por uma conjunção subordinativa final ou por uma locução conjuntiva subordinativa final. São elas: a fim de que, para que, porque. Também pode ser iniciada pela preposição para, estando o verbo no infinitivo.

Exemplos:

Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam.

Aqui estamos para estudar.

I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial de proporção. É iniciada por uma locução conjuntiva subordinativa proporcional. São elas: à proporção que, à medida que, tanto mais.

Exemplo:

À medida que o tempo passa, mais experientes ficamos.

Eis as orações subordinadas adverbiais. Já estudamos todas as orações subordinadas: adjetivas, substantivas e adverbiais. Estão faltando apenas as orações coordenadas, que estudaremos na próxima coluna.

Aponte a alternativa em que a oração destacada estiver analisada incorretamente:
O homem não é uma ilha para que possa viver isolado. (principal)
Temo pela minha pátria, quando penso que Deus é justo. (adverbial temporal e principal)
A máscara é tão bonita que sinto medo do rosto. (subordinada adverbial causal)

________________________________________
“Como a mãe não se voltasse para vê-lo, deu uma corridinha em direção de seu quarto.” O fragmento só não apresenta:
Oração adverbial causal
Oração subordinada concessiva
Oração adverbial final

________________________________________
Há oração principal em:
A paisagem perdeu o encanto da frescura e da bruma
O autor sobre quem falávamos fará uma palestra amanhã
Não vejo flores nem escuto pássaros

________________________________________
Apesar de ser indivíduo medianamente impressionável, convenci-me de que este mundo não é mau.

As orações do período são, respectivamente:
Subordinada adverbial concessiva, principal, subordinada substantiva objetiva indireta
Subordinada adverbial causal, principal, subordinada substantiva completiva nominal
Subordinada adverbial causal, principal, subordinada substantiva objetiva direta

________________________________________
A oração destacada é oração subordinada adverbial final em:
Nem tudo que reluz é ouro
O barbeiro agitou o chapéu, para que a turba ficasse em silêncio
Não sairei do consultório, a menos que haja casos urgentes

________________________________________
Falhou a classificação da oração em destaque na seguinte alternativa:
Não fortalecerás a dignidade humana, se subtraíres ao homem a iniciativa e a liberdade. (adverbial condicional)
Quando quiseres falar mal de alguém, escreva na areia da praia, perto das ondas. (adverbial temporal)
O trabalho mais produtivo é aquele que sai das mãos de uma pessoa alegre. (adverbial comparativa)

________________________________________
Há oração subordinada adverbial concessiva em:
Vivia mendigando favores de parentes
Assim que chegou à fazenda, correu para o tio
Deixarei esta cidade, ainda que seja eleito vereador

________________________________________
Na frase: “Entrando na faculdade, procurarei um emprego”, a oração em destaque pode indicar idéia de:
concessão
oposição
condição

________________________________________

Assinale o item em que ocorre uma oração subordinada com o mesmo valor da segunda oração do texto entre parênteses: (Em torno do paralítico a multidão fizera uma clareira, uma roda, para ver o homem andar…)
Fiz-lhe sinal que descesse
Como era inteligente, aprendeu em pouco tempo
Ele caminhou rápido para a sala de jantar

________________________________________
“Um dia, como lhe dissessem que iam dar o passarinho, caso continuasse a comportar-se mal, correu para a área e abriu a porta da gaiola.” As orações em destaque são, respectivamente, subordinadas adverbiais:
Causal e condicional
Comparativa e causal
Conformativa e consecutiva

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS
Uma oração subordinada adverbial é aquela que exerce a função de adjunto adverbial do verbo da oração principal. Dessa forma, pode exprimir circunstância de tempo, modo, fim, causa, condição, hipótese, etc. Quando desenvolvida, vem introduzida por uma das conjunções subordinativas (com exclusão das integrantes). Classifica-se de acordo com a conjunção ou locução conjuntiva que a introduz.
Por Exemplo:
Durante a madrugada, eu olhei você dormindo.
Oração Subordinada Adverbial
Observe que a oração em destaque agrega uma circunstância de tempo. É, portanto, chamada de oração subordinada adverbial temporal. Os adjuntos adverbiais são termos acessórios que indicam uma circunstância referente, via de regra, a um verbo. A classificação do adjunto adverbial depende da exata compreensão da circunstância que exprime. Observe os exemplos abaixo:
Naquele momento, senti uma das maiores emoções de minha vida.
Quando vi a estátua, senti uma das maiores emoções de minha vida.
No primeiro período, “naquele momento” é um adjunto adverbial de tempo, que modifica a forma verbal “senti”. No segundo período, essse papel é exercido pela oração “Quando vi a estátua”, que é, portanto, uma oração subordinada adverbial temporal. Essa oração é desenvolvida, pois é introduzida por uma conjunção subordinativa (quando) e apresenta uma forma verbal do modo indicativo (“vi”, do pretérito perfeito do indicativo). Seria possível reduzi-la, obtendo-se:
Ao ver a estátua, senti uma das maiores emoções de minha vida.
A oração em destaque é reduzida, pois apresenta uma das formas nominais do verbo (“ver” no infinitivo) e não é introduzida por conjunção subordinativa, mas sim por uma preposição (“a”, combinada com o artigo “o”).
Obs.: a classificação das orações subordinadas adverbiais é feita do mesmo modo que a classificação dos adjuntos adverbiais. Baseia-se na circunstância expressa pela oração.

Circunstâncias Expressas pelas Orações Subordinadas Adverbiais
a) Causa
A ideia de causa está diretamente ligada àquilo que provoca um determinado fato, ao motivo do que se declara na oração principal. “É aquilo ou aquele que determina um acontecimento”.
Principal conjunção subordinativa causal: PORQUE
Outras conjunções e locuções causais: como (sempre introduzido na oração anteposta à oração principal), pois, pois que, já que, uma vez que, visto que.
Exemplos:
As ruas ficaram alagadas porque a chuva foi muito forte.
Como ninguém se interessou pelo projeto, não houve alternativa a não ser cancelá-lo.
Já que você não vai, eu também não vou.
Por ter muito conhecimento (= Porque/Como tem muito conhecimento), é sempre consultado. (reduzida de infinitivo)
b) Consequência
As orações subordinadas adverbiais consecutivas exprimem um fato que é consequência, que é efeito do que se declara na oração principal. São introduzidas pelas conjunções e locuções: que, de forma que, de sorte que, tanto que, etc., e pelas estruturas tão…que, tanto…que, tamanho…que.
Principal conjunção subordinativa consecutiva: QUE (precedido de tal, tanto, tão, tamanho)
Exemplos:
É feio que dói. (É tão feio que, em consequência, causa dor.)
Nunca abandonou seus ideais, de sorte que acabou concretizando-os.
Não consigo ver televisão sem bocejar. (reduzida de infinitivo)
Sua fome era tanta que comeu com casca e tudo.
c) Condição
Condição é aquilo que se impõe como necessário para a realização ou não de um fato. As orações subordinadas adverbiais condicionais exprimem o que deve ou não ocorrer para que se realize ou deixe de se realizar o fato expresso na oração principal.
Principal conjunção subordinativa condicional: SE
Outras conjunções condicionais: caso, contanto que, desde que, salvo se, exceto se, a não ser que, a menos que, sem que, uma vez que (seguida de verbo no subjuntivo).
Exemplos:
Se o regulamento do campeonato for bem elaborado, certamente o melhor time será campeão.
Uma vez que todos aceitem a proposta, assinaremos o contrato.
Caso você se case, convide-me para a festa.
Não saia sem que eu permita.
Conhecendo os alunos (= Se conhecesse os alunos), o professor não os teria punido. (oração reduzida de gerúndio)

d) Concessão
As orações subordinadas adverbiais concessivas indicam concessão às ações do verbo da oração principal, isto é, admitem uma contradição ou um fato inesperado. A ideia de concessão está diretamente ligada ao contraste, à quebra de expectativa.
Principal conjunção subordinativa concessiva: EMBORA
Utiliza-se também a conjução: conquanto e as locuções ainda que, ainda quando, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que.
Observe este exemplo:
Só irei se ele for.
A oração acima expressa uma condição: o fato de “eu” ir só se realizará caso essa condição for satisfeita.
Compare agora com:
Irei mesmo que ele não vá.
A distinção fica nítida; temos agora uma concessão: irei de qualquer maneira, independentemente de sua ida. A oração destacada é, portanto, subordinada adverbial concessiva.
Observe outros exemplos:
Embora fizesse calor, levei agasalho.
Conquanto a economia tenha crescido, pelo menos metade da população continua à margem do mercado de consumo.
Foi aprovado sem estudar (= sem que estudasse / embora não estudasse). (reduzida de infinitivo)
e) Comparação
As orações subordinadas adverbiais comparativas estabelecem uma comparação com a ação indicada pelo verbo da oração principal.
Principal conjunção subordinativa comparativa: COMO
Por Exemplo:
Ele dorme como um urso.
Utilizam-se com muita frequência as seguintes estruturas que formam o grau comparativo dos adjetivos e dos advérbios: tão…como (quanto), mais (do) que, menos (do) que. Veja os exemplos:
Sua sensibilidade é tão afinada quanto a sua inteligência
O orador foi mais brilhante do que profundo.
Saiba que:
É comum a omissão do verbo nas orações subordinadas adverbiais comparativas.
Por exemplo:
Agem como crianças. (agem)
Oração Subordinada Adverbial Comparativa
No entanto, quando se comparam ações diferentes, isso não ocorre.
Por exemplo: Ela fala mais do que faz. (comparação do verbo falar e do verbo fazer).

f) Conformidade
As orações subordinadas adverbiais conformativas indicam ideia de conformidade, ou seja, exprimem uma regra, um modelo adotado para a execução do que se declara na oração principal.
Principal conjunção subordinativa conformativa: CONFORME
Outras conjunções conformativas: como, consoante e segundo (todas com o mesmo valor de conforme).
Exemplos:
Fiz o bolo conforme ensina a receita.
Consoante reza a Constituição, todos os cidadãos têm direitos iguais.
Segundo atesta recente relatório do Banco Mundial, o Brasil é o campeão mundial de má distribuição de renda.
g) Finalidade
As orações subordinadas adverbiais finais indicam a intenção, a finalidade daquilo que se declara na oração principal.
Principal conjunção subordinativa final: A FIM DE QUE
Outras conjunções finais: que, porque (= para que) e a locução conjuntiva para que.
Por Exemplo:
Aproximei-me dela a fim de que ficássemos amigos.
Felipe abriu a porta do carro para que sua namorada entrasse.
h) Proporção
As orações subordinadas adverbiais proporcionais exprimem ideia de proporção, ou seja, um fato simultâneo ao expresso na oração principal.
Principal locução conjuntiva subordinativa proporcional: À PROPORÇÃO QUE
Outras locuções conjuntivas proporcionais: à medida que, ao passo que. Há ainda as estruturas: quanto maior…(maior), quanto maior…(menor), quanto menor…(maior), quanto menor…(menor), quanto mais…(mais), quanto mais…(menos), quanto menos…(mais) quanto menos…(menos).
Exemplos:
À proporção que estudávamos, acertávamos mais questões.
Visito meus amigos à medida que eles me convidam.
Quanto maior for a altura, maior será o tombo.
i) Tempo
As orações subordinadas adverbiais temporais acrescentam uma ideia de tempo ao fato expresso na oração principal, podendo exprimir noções de simultaneidade, anterioridade ou posterioridade.
Principal conjunção subordinativa temporal: QUANDO
Outras conjunções subordinativas temporais: enquanto, mal e locuções conjuntivas: assim que, logo que, todas as vezes que, antes que, depois que, sempre que, desde que, etc.
Exemplos:
Quando você foi embora, chegaram outros convidados.
Sempre que ele vem, ocorrem problemas.
Mal você saiu, ela chegou.
Terminada a festa, todos se retiraram. (= Quando terminou a festa) (oração reduzida de particípio)
Exercícios – Orações Subordinadas Adverbiais
Posted on Agosto 19, 2009 by galeradaredacao
Oi, turminha! Para exercitar seu cérebro, e para entender que tipo de questões teremos na prova da semana que vem, faça com atenção os exercícios abaixo.
1. Identifique e sublinhe a oração que possui valor de advérbio, e depois diga qual é o sentido que ela concede ao texto.
a. “Eu canto porque o instante existe, e a minha felicidade está completa” (Cecília Meireles).
b. “Se você disser que eu desafino, amor, saiba que isso em provoca imensa dor” (Tom Jobim).
c. Tudo aconteceu como estava previsto na Bíblia.
d. A fim de que não te iludas, toma mais cuidado com os teus sentimentos.
e. “Queremos liberdade, ainda que venha tarde” (Cecília Meireles).
f. A mulher traída investiu sobre o marido feito um rojão.
g. “E tão mansa ela esmorece/ Tão lentamente no céu de prece/ Que assim parece toda repouso..” (Manuel Bandeira).
h. “Não permita, Deus, que eu morra/ Sem que eu volte para lá…” (Gonçalves Dias).
i. Segundo se dizia no passado, mulher que fala muito perde logo o seu amor”.
j. Quanto mais eu penso nela, tanto mais a odeio.
l. Desde que chegou, o moço só pediu um copo d’água.
m. Embora eu saiba que estás iludida, tenho o dever de de contar-te a verdade.

2. Agora, substitua as conjunções e reescreva as orações, de modo que o sentido inicial permaneça.

Vamos estudar! Nada de decoreba! Fiquem atentos porque logo colocarei mais exercícios,

As orações subordinadas adverbiais

Oração Subordinada Adverbial

Conceito
Oração subordinada adverbial é aquela que tem valor de advérbio, exerce, em relação ao verbo da oração principal, a função do adjunto adverbial.

Classificação das orações adverbiais
São elas: temporais, condicionais, concessivas, proporcionais, causais, consecutivas, comparativas, conformativas e finais.

Temporais
Indica um momento, a época, o tempo de ocorrência do fato expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas temporais: quando, enquanto, logo que, assim que, mal, etc..

Exemplo
Logo que abriu o Sol, meus olhos se fecharam.

Condicionais
Expressam uma hipótese e condição para que ocorra o fato expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas condicionais: Se, caso, contanto que, desde que, salvo se, a menos que, sem que, etc.

Exemplo
Caso eu vá lá hoje, tenho que me arrumar.

Concessivas
Expressam uma concessão, um fato contrário ao expresso na oração principal, porém insuficiente para anulá-lo. São introduzidas pelas conjunções subordinativas concessivas: Embora, conquanto que, ainda que, mesmo que, se bem que, por mais que, etc.

Exemplo
Mesmo que eu ande, nunca chegarei. (Por mais que eu ande, demorarei a chegar.)

Proporcionais
Indicam uma proporção em relação ao fato expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas proporcionais: à proporção que,à medida que, ao passo que, quanto mais…(mais), etc.

Exemplo
Quanto mais eu ficava ali, mais eu queria ir embora.

Causais
Indicam a causa do efeito expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas causais: Porque, visto que, que, posto que, uma vez que, como, etc.

Exemplo
Os meninos jogam futebol, porque é um esporte agradável.

Consecutivas
Expressão uma conseqüência, um efeito do fato mencionado na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas consecutivas: que (precedidas de tal, tão, tanto, tamanho), de sorte que, de modo que, etc.

Exemplo
Dancei tanto que fiquei cansado.

Comparativas
Estabelecem uma comparação em relação a um elemento da oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas comparativas: como, que, do que, assim como, (tanto) quanto, etc.

Exemplo
Você é bela como o por do Sol.

Conformativas
Estabelecem uma idéia de concordância, de conformidade entre um fato nela mencionado e outro expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas conformativas: como, conforme, segundo, consoante, etc.

Exemplo
Como eu disse, a noite irei ao cinema.

Finais
Apresentam uma finalidade em relação ao fato expresso na oração principal. São introduzidas pelas conjunções subordinativas finais: para que, a fim de, que.

Exemplo
Estudei muito a fim de que passe de ano. ou
Treinei bastante para que ganhasse esta competição.

Classificação das Orações adverbiais

*Temporais.
Indicam o momento, a época, o tempo de ocorrência do fato expresso na oração principal:

“Quando você foi embora, fez-se noite em meu viver” (Milton Nascimento e Fernando Brandt)

Enquanto leio poesia, recupero o equilíbrio emocional.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas temporais: quando, enquanto, logo que, assim que, mal, etc.

*Condicionais.
Expressam uma hipótese ou condição para que ocorra o fato expresso na oração principal:
“ Se eu quiser falar com Deus, tenho que ficar a sós.” (Gilberto Gil )

Caso tivesse realizado as obras necessárias, não teria perdido a eleição.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas condicionais: se, caso, contanto que, salvo se, a menos que, sem que, etc.

*Concessivas.
Expressam uma concessão, um fato contrário ao expresso na oração principal, porém insuficiente para anulá-lo:
Quando hoje acordei, ainda fazia escuro. (Embora a manhã já estivesse avançada). (Manuel Bandeira)

Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

Por mais que faça frio, o jogo realizará.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas concessivas: embora, conquanto que, ainda que, mesmo que, se bem que, por mais que, etc.

*Proporcionais.
Indicam uma proporção em relação ao fato expresso na oração principal:
À medida que o tempo passava, mais ansioso eu ficava.

À proporção que o tempo passa, a agonia recrudesce.

O barulho de algazarra aumenta à medida que se aproxima das crianças.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas proporcionais: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais… (mais), etc.

*Causais.
Indicam a causa do efeito expresso na oração principal:

Os alunos conversam baixo porque estão na biblioteca.

Carlos saiu porque precisava.

Amadeu não saiu visto que estava frio.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas causais: porque, visto que, que , posto que, uma vez que, como (sempre anteposto à oração principal), etc.

Consecutivas.
Expressam uma consequência, um efeito do fato mencionado na oração principal:

Falou tanto que ficou sem voz.

Otávio bebia tanto de modo que morreu afogado no seu próprio vômito.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas consecutivas: que (precedida de tal, tão, tanto, tamanho), de sorte que, de modo que, etc.

Comparativas.
Estabelecem uma comparação em relação a um elemento da oração principal:

Cantava como um pássaro.

ATENÇÃO: Nas orações comparativas, é comum o verbo ser o mesmo da oração principal e, por isso, ficar subentendido. Observe: CANTAVA COMO UM PÁSSARO (CANTA).

Marisa é tão boa digitadora quanto Teresa.

“A preguiça gasta a vida como a ferrugem consome o ferro”

São introduzidas pelas conjunções subordinativas comparativas: como, que, do que, assim como, (tanto) quanto, etc.

Conformativas.
Estabelecem uma ideia de concordância, de conformidade entre um fato nela mencionado e outro expresso na oração principal:

Conforme acertamos, eu vou viajar na segunda-feira.

Conforme as últimas notícias, o mundo corre risco de uma guerra generalizada.

Realizei seus desejos como você me havia sugerido.

Escrevi carta burocrática, segundo o estilo oficial estabelece.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas conformativas: como, conforme, segundo, consoante, etc.

Finais.
Apresentam uma finalidade em relação ao fato expresso na oração principal:

Trabalhei muito para tirar férias no final do ano.

Antônio Carlos falou baixinho a fim de que não fosse percebida sua revolta.

Acenei-lhe para que silenciasse.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas finais: para que, a fim de que , que, etc.

BIBILIOGRAFIA.

http://www.algosobre.com.br/gramatica/oracoes-subordinadas.html. Acessado em 16/09/2009.
Cereja, William Roberto, Português: linguagem, 8ª série: língua portuguesa/ William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães. – 4. Ed.- São Paulo: Atual, 2006
 
Trabalho de: *ANA PAULA
*GUSTAVO DAMAS
9ºD *LUCAS VINÍCIUS
*MARIANA CARVALHO

As orações subordinadas adverbiais

Classificações das orações adverbiais.

*Temporais
Indicam o momento,de ocorrência do fato expresso na oração principal:
Ex: “Quando você foi embora,fez-se noite em meu viver”

Elas são introduzidas pelas conjunções subordinativas temporais:
Quando,enquanto,logo que,assim que,mal,etc.

*Condicionais

Expressam uma hipótese ou condição para que ocorra o fato:
Ex: “Se eu quiser falar com Deus,tenho que ficar a sós”

São introduzidas nas conjunções subordinativas condicionais: se,
caso,contanto que,desde que,salvo se,a menos que,sem que,etc

*Concessivas

Expressam uma concessão, um fato contrário ao expresso na oração principal,porém insuficintes para anulá-lo.
Ex: Quando hoje acordei,ainda fazia escuro
(Embora a manhã já estivesse avançada.)

São introduzidas nas conjunções subordinativas concessivas: embora,conquanto que,ainda que,mesmo que,se bem que,por mais que,etc. Indicam uma proporção em relação ao fato expresso na oração principal:
Ex: À medida que o tempo passava,mais ansioso eu ficava.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas proporcionais:à proporção que,à medida que,ao passo que,quanto mais…(mais),etc

*Causais

Indicam a causa do efeito expresso na oração principal:
Ex: Os alunos conversam baixo porque estão na biblioteca.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas causais:porque,visto que,que,
posto que, uma vez que,como(sempre anteposto à oração principal),etc

*Cosecutivas

Expressam uma conseqüência,um efeito do fato mencionado na oração principal:
Falou tanto que ficou sem voz.

São introduzidas pelas conjunções subordinadas consecutivas:que(precedidas de tal,tão,tanto,tamanho),de sorte que, de modo que,etc.

*Comparativas

Estabelecem uma comparação em relação a um elemento da oração pricipal:
EX:Cantava como um pássaro.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas:como,que,do que,assim como,
(tanto)quanto,etc.

*conformativas

Estabelecem uma idéia de concordância,de conformidade entre um fato nela mencionando
eoutro expresso na oração principal:
Ex: conforme acertamos,eu vou viajar na segunda-feira.

São induzidaspelas conjunções subordinativas conformativas:como,conforme,segundo,consoate,etc.

*Finais

Apresentam uma finalidade em relação ao fato expresso na oração principal:
Ex: Trabalhei muito para tirar férias no final do ano.

São introduzidas pelas conjunções subordinativas finais:para que,a fim de que,que.

Oração Subordinada Adverbial

*Temporal
Quando a professora nova entrou, os alunos se sentaram em silêncio.

CONDICIONAL
Se ele treinasse mais, poderia participar do campeonato.

CONCESSIVA
Embora chova, caminharei um pouco pelo parque.

PROPORCIONAL
Mais curioso ficava, à proporção que pesquisava sobre a origem do homem.

CAUSAL
As crianças estão quietas porque estão assistindo à TV.

CONSECUTIVA
Estudou tanto que adormeceu sobre os livros.

COMPARATIVA
Chorava como uma criança.

CONFORMATIVA
Pagarei o carro em dez prestações, Conforme combinamos.

FINAIS
Fizemos de tudo para que a criança sorrisse para o fotógrafo.

9ºB
Trabalho de: *Ana Carolina Santos
*Daniella Araújo
*Dimitrya
*Joyce Lorena
*Juliana Pereira
*Luana Martins

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.